Mostrando postagens com marcador Blues. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Blues. Mostrar todas as postagens

8 de nov de 2016

Phil Keaggy: lança novo álbum “All at Once”


Um dos maiores guitarristas de todos os tempos da música cristã, Phil Keaggy lança um dos melhores álbuns solo da carreira, talvez o melhor. Com mais de 50 álbuns lançados, “All at Once” recém lançado, agora é destaque. As letras do álbum são encorajadores e edificante, com foco em questões de fé cristã de Keaggy e sobre as relações humanas.Este é um álbum que qualquer fã Keaggy vai curtir. Este é também um álbum para quem gosta de blues / rock pop e solos de guitarra. O álbum já está disponível em CD e vinil apenas no site do Phil.

Fonte: Templo Metal
Compartilhar este post?

15 de mai de 2015

B.B. King: 'Rei do Blues' morre aos 89 anos nos Estados Unidos


O músico B.B. King, considerado o "Rei do Blues" e integrante do Hall da Fama do Rock and Roll desde 1987, morreu na madrugada desta sexta-feira (15) em Las Vegas, nos Estados Unidos, aos 89 anos de idade, informou seu advogado.
No início de abril, o guitarrista havia sido hospitalizado após sofrer uma desidratação por causa da diabetes tipo 2 da qual sofria há mais de 20 anos. Ele voltou a ser internado há poucos dias.
A lenda se despede com 16 prêmios Grammy, mais de 50 discos em quase 60 anos de carreira e músicas que marcaram época, como “Three o’clock blues”, “The thrill is gone”, “When love comes to town”, “Payin’ the cost to be the boss”, “How blue can you get”, “Everyday I have the blues”, “Why I sing the blues”, “You don't know me”, “Please love me” e “You upset me baby”.
Considerado o maior guitarrista de blues da atualidade, verdadeira lenda, Riley B. King, nasceu em 16 de setembro de 1925, no Mississippi, nos Estados Unidos. Tocava nas esquinas e em bares. Comprou o primeiro violão quando a falta de eletricidade no interior do país fazia dos instrumentos musicais a maior atração dos anos de 1940.
O músico foi autodidata, nunca teve professor. Gostava de ser seduzido pelas melodias. O B.B. de seu nome artístico vem de Blues Boy, dos tempos do rádio.
Seu primeiro grande sucesso nacional foi “Three o'clock blues”, que estourou nos anos 1950. A partir daí começou a fazer turnês sem parar. Só no ano de 1956 sua banda chegou a fazer 342 apresentações.
B.B. King criou um estilo autêntico de guitarra. Em seus solos, ao contrário de outros guitarristas, o Rei do Blues preferia usar poucas notas. Ele dizia que conseguia fazer uma nota valer por mil.

Em foto de abril de 2006, B.B. King completou 10 mil shows e comemorou em clube de Nova York (Foto: AP Photo/Richard Drew, File)

Paixão era a guitarra
Ele tinha verdadeira paixão por seus instrumentos. Tanto que enfrentou um incêndio durante um show para salvar uma de suas guitarras. O fogo teria começado numa disputa entre dois rapazes por uma garota. Depois desse episódio suas guitarras passariam a ser carinhosamente chamada de “Lucille”, o nome da jovem.
A fama de suas guitarras ganhou o mundo. Em 1997, King presenteou o papa João Paulo II com uma “Lucille”, no Vaticano.
Em 2012, fez parceira inesperada com o presidente americano Barack Obama, durante um show de blues na Casa Branca.
Em outubro de 2014, o guitarrista precisou abandonar um espetáculo em Chicago, diante de um quadro de desidratação e esgotamento, o que provocou a suspensão do restante da turnê, que ainda tinha 8 shows programados.
Aos 86 anos, ainda fazia cerca de 100 apresentações por ano. O último show no Brasil ocorreu em 2012, em São Paulo. Antes, se apresentou no Rio de Janeiro e em Curitiba.

B.B. King e Bo Diddley se apresentaram em 2002 no Times Square, em NY. (Foto: Richard Drew / Arquivo / AP Photo)

Influente
Considerado um dos artistas mais influentes de todos os tempos, seu talento inspirou outros grandes guitarristas, como Stevie Ray Vaughan, Jeff Beck, Jimi Hendrix, George Harrison, Buddy Guy e Eric Clapton.
B.B. King ganhou diversos Grammy Awards: melhor desempenho vocal masculino de Rhythm & Blues, em 1970, com “The thrill is gone”; melhor gravação étnica ou tradicional, em 1981, com “There must be a better world somewhere”; melhor gravação de blues, em 1983, com “Blues’N jazz”, e, em 1985, com “My guitar sings the blues”. Em 1970, Indianopola Missisipi Seeds concede-lhe o Grammy de melhor capa de álbum. A Gibson Guitar Co. o nomeou “embaixador das guitarras Gibson no mundo”.

King se casou duas vezes. Primeiro com Martha Lee Denton, com quem viveu entre 1946 e 1952; e, depois com Sue Carol Hall, entre 1958 e 1966. O artista deixa 14 filhos e mais de 50 netos.


Fonte: G1
Compartilhar este post?

30 de mai de 2012

Cornerstone Festival: edição de 2012 será a última


Os organizadores do festival Cornerstone anunciaram que a edição 2012 será a última do lendário festival. O festival teve seu início em 1984, e desde então acontecia anualmente com bandas de diversos estilos como rock, metal, punk, hardcore e pop além de incentivar o cenário independente do rock cristão trazendo palestras, workshops.
Em um comunicado do site do Festival os organizadores declaram o fim do festival e argumentam a dificuldade econômica e mudanças no mercado.

Confira abaixo um documentário (em inglês) que mostra diversas cenas do Cornerstone Festival:








Fonte: Gospel+
Compartilhar este post?

27 de fev de 2012

Alexandre Aposan: baterista do Oficina G3 divulga teaser de seu DVD solo, com diversas participações especiais


O baterista do Oficina G3, Alexandre Aposan, gravou o DVD solo “Ao vivo entre irmãos”, no dia 13 de julho, na Igreja O Brasil para Cristo Tabernáculo, em Jacuí, interior de São Paulo.
Antes de ser oficializado como baterista do Oficina, Aposan tocou com diversos músicos e artistas do mercado gospel, sendo reconhecido como um dos maiores especialistas deste instrumento no Brasil.
Esse projeto é diferenciado, pois a figura central é o baterista, que interage com os artistas convidados, além de trazer performances musicais diferenciadas, valorizando a bateria.
As participações especiais do projeto foram Thalles Roberto, Celso Machado (guitarrista freelancer do Oficina G3), Full Range, Banda Ágape, Ton Carfi, Luciano Claw, Paulo César Baruk, Coral Resgate, Lito Atalaia, Rogério Serralheiro e Oficina G3.

Assista abaixo, ao teaser do DVD “Ao vivo entre irmãos”, do baterista Alexandre Aposan:



Fonte: Gospel+
Compartilhar este post?

25 de jul de 2011

Morte precoce: Além de Amy Winehouse, conheça outros nomes da música mortos aos 27 anos

Cantora se junta a clube de roqueiros que morreram precocemente

Encontrada morta neste sábado (23) em seu apartamento no bairro de Camden, em Londres, Amy Winehouse passa a fazer parte do clube dos roqueiros mortos aos 27 anos.

Coincidência ou não a cantora conhecida por seus problemas com drogas e bebidas, se junta a outras estrelas tão problemáticas quanto ela. Entre elas, Kurt Cobain (1967 -1994), Jimmy Hendrix (1942-1970), Janis Joplin (1943-1970), Jim Morrison (1943-1971), Brian Jones (1942-1970) e Kristen Pfaff (1967-1994).

Veja abaixo lista e resumo de quem deixou o mundo da música precocemente aos 27 anos.

Janis Joplin (19/1/1943 - 4/10/1970) 
A eterna rainha do blues rock lançou maravilhas como Cheap Thrills (1968) e Pearl (1971). No palco, a cantora americana arrasava, deixando a plateia com o queixo caído. Seu temperamento era bem difícil. Foi vítima de uma overdose acidental, quando estava no final das sessões de gravação de Pearl. Cantava muito! Sua voz vinha do fundo da alma. 


Jim Morrison (8/12/1943 - 3/7/1971) 
Um dos grandes poetas do rock e totalmente imprevisível: era capaz de fazer shows maravilhosos ou horríveis, conforme o seu humor. The Doors (1967), Strange Days (1967) e L.A. Woman (1971) são alguns de seus melhores discos com os Doors. Era considerado o grande símbolo sexual do rock, nos anos 60, o que o irritava. Tinha um vozeirão. Vítima de overdose acidental. 


Jimi Hendrix (27/11/1942 - 18/9/1970) 
Ainda hoje considerado o maior guitarrista da história do rock, gravou discos espetaculares, como Axis Bold As Love (1967) e Electric Ladyland (1968). No palco, ele pôs até fogo na guitarra, e de verdade! Usava drogas e bebia como se não houvesse amanhã. Morreu sufocado no próprio vômito, após uma mistura de comprimidos e bebidas alcoólicas. 


Brian Jones (28/2/1942 - 3/7/1969) 
O guitarrista criou e deu o nome a uma banda lendária, The Rolling Stones. O grande músico acabou mergulhando nas drogas e sendo mandado embora do próprio grupo por Mick Jagger. Foi encontrado morto em sua piscina, afogado, apenas um dia depois de ser demitido. Tem gente que até hoje acha que ele foi assassinado. Jones foi o primeiro roqueiro famoso a morrer com 27 anos. 


Kurt Cobain (20/2/1967 - 5/4/1994) 
O maior mito do rock nos anos 90. Cantor, compositor, guitarrista e líder do grupo americano Nirvana, que lançou os brilhantes Nevermind (1991) e In Utero (1993). Não soube lidar com o sucesso, e seu fim foi trágico: estourou os miolos em sua própria casa. Fez shows cheios de altos e baixos no Brasil com o Nirvana em janeiro de 1993, e até gravou em um estúdio carioca. 


Richey Street (22/12/1967 - 14/2/1995) 
Ele era o letrista e o guitarrista base dos Manic Street Preachers, uma das principais bandas inglesas da década de 90. Intelectual e doidão, chegou a usar uma camiseta com a frase “kill yourself” (mate-se, suicide-se). Um dia antes de a banda viajar para os Estados Unidos, ele simplesmente sumiu. Do nada. E nunca mais foi encontrado. 


Robert Johnson (8/5/1911 - 16/8/1938) 
O cantor, compositor e violonista americano é considerado o legítimo avô do rock and roll. Reza a lenda que ele teria vendido a alma para o capeta para se tornar um excelente violonista, cantor e compositor, e que morreu tão cedo justamente por causa disso. Teria o diabo vindo cobrar a dívida? Oficialmente, foi vítima de envenenamento. Ídolo de Eric Clapton e inúmeros outros roqueiros famosos. 


Alan "Blind Owl" Wilson (4/7/1943 - 3/9/1970) 
O Cannet Heat foi uma das principais bandas de blues rock americanas dos anos 60, e Alan era seu guitarrista. O cara sabia tudo de blues, e conhecia a obra de cada grande nome do gênero. Future Blues (1968), melhor disco do grupo, teve grande participação de Alan. Ele foi encontrado morto pelos colegas de banda, vítima da mistura de duas garrafas de gin com comprimidos. 


Kristen Pfaff (26/5/1967 - 16/6/1994) 
Kristen Pfaff tocou baixo com o Hole, banda liderada por Courtney Love, a mulher de Kurt Cobain. Ela entrou no grupo e participou de seu disco mais vendido, Life Through This (1994). Reza a lenda que a moça teria tido um rápido caso com Kurt. Em trágica coincidência, Kristen também foi encontrada morta, vítima de overdose, e também aos 27 anos de idade, dois meses depois de Cobain. 


Gary Thain (15/5/1948-8/12/1975) 
O baixista inglês é até hoje considerado um dos melhores da história do heavy metal, e viveu seus anos de ouro como integrante do Uriah Heep, participando de CDs como Demons And Wizards (1972). A coisa ficou feia para ele a partir de setembro de 1974, quando foi eletrocutado em cena. Conseguiu sair vivo, mas sua vida nunca mais foi a mesma. Foi demitido do Uriah Heep e, deprimido, morreu de overdose. 


Ron "Pigpen" Mckernan (8/9/1945-8/3/1973) 
McKernan era tecladista do Grateful Dead, uma das bandas mais malucas e experimentais da geração hippie. Ele era quem mais aparecia nos shows, pois sabia prender a atenção do público. Infelizmente, também bebia como se não houvesse amanhã, e morreu vítima de uma hemorragia gastrointestinal, que ganhou ao encher tanto a cara. 


Pete Ham (27/4/1947-24/4/1975) 
Cantor, compositor e guitarrista do grupo inglês Badfinger, que soube como poucos se valer da influência dos Beatles e lançou trabalhos maravilhosos como Straight Up (1971) e Wish You Were Here (1975). Seu rock era melódico e contagiante, uma delícia de se ouvir. Sacaneado pelo empresário, ficou desesperado e em situação financeira lamentável. Acabou se suicidando. 


Chris Bell (12/1/1951-27/12/1978) 
O cantor, compositor e guitarrista americano era outro que aproveitou muito bem as influências dos Beatles. Ao lado do cantor, compositor e músico Alex Chilton, integrou a banda Big Star, que vendeu poucos discos mas influenciou inúmeros outros grupos de rock, como R.E.M. e Oasis. A falta de sucesso comercial lhe rendeu forte depressão. Morreu vítima de um acidente de carro. 


Pete de Freitas (2/8/1961-14/6/1989) 
Pete de Freitas foi considerado um dos melhores bateristas do rock dos anos 80, e tocava com o Echo & The Bunnymen. Esteve com a banda quando eles tocaram no Brasil pela primeira vez, em 1987, em shows antológicos. Participou de discos ótimos, entre eles Ocean Rain (1984) e Echo & The Bunnymen (1987). Morreu em um acidente de moto.


Fonte: Portal  R7
Compartilhar este post?

9 de jun de 2011

Les Paul: Google homenageia guitarrista

Les Paul, o guitarrista e inventor que mudou o curso da música  com a guitarra elétrica e as gravações em múltiplos canais, é homenageado pelo Google em um doodle interativo.
Nesta quarta-feira dia 8 de junho, quem acessou o famoso buscador, teve a seguinte imagem, podendo ainda interagir com as cordas:


Les Paul foi o responsável pela guitarra elétrica no rock’n'roll e das gravações em vários canais, que permitiu aos artistas gravar diferentes instrumentos  em momentos distintos, fazer um coral usando a voz de uma única pessoa, e então, cuidadosamente, equilibrar as “faixas” em uma gravação final.

A Gibson começou a produzir a guitarra Les Paul no ano de 1952, e ao longo dos anos, tornou-se uma das mais usadas na indústria da música e o modelo favorito de grandes nomes do rock, como Pete Townsend do The Who, Steve Howe do Yes, e Jimmy Page do Led Zeppelin.
Les Paul colecionou vários sucessos em sua carreira como guitarrista de Jazz, juntamente com sua esposa, Mary Ford.
Entre 1949 e 1962, ele ganhou 36 discos de ouro e conquistou 11 vezes o primeiro lugar nas paradas, com hits como “Vaya con dios,” “How high the moon,” “Nola” e “Lover“.


Fonte: Whiplash! 
Compartilhar este post?

8 de mai de 2011

Cornerstone Festival 2011: 28ª edição, vários dias, muitas bandas: P.O.D, Classic Petra, Phil Keaggy, Brian Head, Blindside, Saviour Machine, Rez Band ...


O principal festival de rock cristão dos EUA, o Cornerstone Festival, completa sua 28ª edição em 2011 e acontecerá de 30 de junho a 3 de julho. Um grande evento que reúne cerca de 20.000 pessoas em Illinois – EUA em uma semana que une celebração, fé, inspiração, criatividade e muita música.
O festival acontece em uma região que tem uma população de 3500 pessoas que vê sua rotina mudada durante o famoso festval. Uma variedade de estilos irá tocar nos palcos do Cornerstone, mais de 300 artistas e bandas que vão de bandas conhecidas do grande públicas a bandas que encontram no festival uma forma de projeção de seu trabalho.
Entre as bandas que estarão tocando de 30 de junho a 3 de julho estão P.O.D, Classic Petra, Phil Keaggy, o ex guitarrista da banda Korn Brian “Head” Welch, Blindside, Paper Rout, Seabird, The Charriot, Anberlin, Anchor and Braile e tantas outras como listado no site oficial.
Além da música o festival une cinema e cultura pop trazendo uma programação diversificada serão exibidos filmes e documentários como o indicado ao Oscar Exit Through the Gift Shop. O esporte também encontra espaço nos dias do festival são realizados compeonados e jogos de basquete, futebol e vôlei além de uma pista de skate.


Anberlin

P.O.D.

Classic Petra

Phil Keaggy

Brian "Head" Welch

Blindside

Saviour Machine

e muitos mais...
Compartilhar este post?

5 de abr de 2011

Download now: The Rev. Jimmie Bratcher - The Electric Rev. (Rock/Blues)


O Blues é todo o sentimento de um homem. Quem melhor para tocar o blues do que um homem que perdeu tudo para recuperar novamente ? Esse homem se trata do reverendo Jimmie Bratcher, um homem que abdicou seu amor pelo blues para um chamado maior, para ver o blues voltar para ele como uma vocação maior, 20 anos depois. Um garoto que foi a Memphis para seguir um sonho que 25 anos depois é realizada a cada vez que ele pisa nos palcos.

The Rev. Jimmie Bratcher - The Electric Rev.  Download


Fonte: Ata.worship / CRISTO LA ROCKA DE MI VIDA
Compartilhar este post?